Quatro pessoas que você deve conhecer antes de abordar um investidor

pessoas de negócio dando as mãos
Crédito: Rawpixel | Unsplash

Nem todas as ideias de negócio precisam de um investidor para sair do papel e se transformar numa empresa de sucesso. Mas as que precisam, ou se deparam com essa oportunidade, devem tomar doses extra de cuidado e planejamento, antes de abordar um investidor. Quando um empreendedor tiver que apresentar uma oportunidade de investimento, ele deve fazer a lição de casa e construir um plano de execução consistente. Para realizar essa tarefa, existem quatro pessoas que o empreendedor deve conhecer muito bem antes de entrar em contato com qualquer investidor.

1. Sócio(s)

A primeira é um bom sócio. Empreendedores solitários tendem a não levar todos os pontos de vistas em consideração nas suas decisões. Um sócio comprometido, que se envolva de corpo e alma na gestão do negócio e com competências complementares, pode evitar muita decisão errada e ajudar a aproveitar oportunidades camufladas. Como dizem, a capacidade de autoilusão de um empreendedor solitário é infinita.

O ideal é um trio de sócios, no qual um é responsável pelo cliente, outro pelo produto e um terceiro pela empresa em si. Essas três funções não podem faltar. Quando a empresa cresce, geralmente essas áreas se tornam mais complexas e se subdividem. Mas no início é sempre muito importante definir qual sócio tem a vocação e a responsabilidade para cada uma dessas três áreas. Existe uma grande diferença no processo de investimento de empresas que tem isso bem definido e as que não tem. O tempo de convivência e o entrosamento do time de sócios também conta muito.

2. Cliente

A segunda pessoa, a peça-chave do jogo, é o cliente. Me surpreende a quantidade de empreendedores que não conhece ou nunca falou com o cliente que ele quer atingir. Essa deve ser, sem sombra de dúvida, a pessoa que o empreendedor deve conhecer mais e melhor a cada dia, desde o primeiro minuto da concepção da sua ideia de negócio.

Sem entender quem é o cliente, onde ele está, como toma suas decisões, o que consome, como consome e como é a sua hierarquia de necessidades, o empreendedor não conseguirá saber se está diante de uma boa oportunidade de negócio.

Conhecer o dia-a-dia do cliente e suas dores é essencial para construir uma visão de longo prazo e vender essa visão a quem quer que seja, inclusive um investidor.

3. Contador

Um outro personagem desse enredo é o contador. O empreendedor deve escolher com calma, e de forma criteriosa, o profissional ou o escritório que cuidará da contabilidade da sua empresa. O contador deve ser uma espécie de braço direito dos executivos, e a sua contratação deve ser encarada como o início de uma parceira e não como uma obrigação.

Desde a construção do modelo de negócios, passando pela abertura da empresa e contratações, até os estudos de modelos tributários complexos, o contador deve estar ao lado do empreendedor, repassando a segurança e o conhecimento necessários para tomadas de decisão.

Um aspecto muito importante para quem está captando investimentos é a auditoria contábil, fiscal e trabalhista. Especialmente para empresas mais maduras, com mais tempo de vida, a auditoria pode se transformar em um grande sofrimento se os documentos e obrigações fiscais não estiverem organizadas. O processo de investimento pode demorar muito mais que o previsto, e a dedicação dos empreendedores fica extremamente comprometida.

4. Advogado

Um bom escritório de advocacia pode auxiliar o empreendedor em praticamente todas as esferas do negócio. Direito comercial, trabalhista, tributário, fiscal, civil e societário são áreas que devem ter o suporte de profissionais especializados para tomada de decisões estratégicas, aquelas que afetarão diretamente a lucratividade da empresa.

Especificamente em relação ao investimento, é o advogado que ajudará o empreendedor a interpretar e negociar os contratos de investimento. Além de acelerar o processo, esse profissional protege a relação entre o empreendedor e o investidor, servindo de mediador na negociação de cláusulas mais duras.

Antes de abordar um investidor

Só depois de conhecer essas quatro pessoas, escolher com quem trabalhar e convencê-las de que estão diante de uma boa oportunidade de negócio é que o empreendedor deve abordar um investidor. Depois dessa jornada o projeto estará bem mais maduro e as coisas fluirão de forma mais natural. Quem sabe até apareçam investidores espontaneamente a partir de indicações dessas pessoas.

Essa recomendação vale para qualquer estágio de empresa?

Sim!!

Independentemente do tipo de investidor, ele vai querer ver uma equipe entrosada, uma proposta de valor validada, uma empresa organizada e bem assessorada. Até mesmo um investido-anjo.

 

Artigos relacionados:
Qual é a hora certa de captar investimento?
Cada informação em seu tempo: o que e quando falar aos investidores