Devo ou não aplicar o fluxo de caixa descontado numa startup?

meme sobre fluxo de caixa descontado

O fluxo de caixa descontado é a metodologia de cálculo de valuation de empresas mais utilizada no mundo. Seu princípio básico é que o valor de uma empresa é a soma dos fluxos de caixa futuros, ou seja, o que ela gera de riqueza, descontados para o momento presente por uma taxa que representa o custo do capital mais os riscos associados.

Parece complicado para quem está tendo o primeiro contato com o conceito, mas em breve escreverei um artigo bem didático sobre o tema.

De qualquer maneira, a aplicabilidade dessa metodologia para pequenas empresas de alto crescimento, ou startups, é uma grande polêmica.

Sem muitos rodeios, a minha opinião é que SIM, deve-se aplicar o fluxo de caixa descontado para uma startup.

A razão é simples, mas não é óbvia:

O plano de execução e a visão de longo prazo – que gerarão o fluxo de caixa projetado – devem estar alinhados com a percepção de valor da oportunidade no momento do investimento.

Essa percepção de valor nada mais é do que o preço que um investidor está disposto a pagar para participar de um retorno futuro e incerto. Escrevi sobre isso nesse artigo.

Portanto, NÃO usamos o fluxo de caixa descontado para cálculo do valor da empresa. Usamos apenas para validar o plano de execução.

Validar o plano de execução significa responder a seguinte pergunta: essa empresa consegue crescer e gerar valor de forma sustentável?

A verdade é que não queremos que a empresa pare de crescer, não enquanto ainda estivermos na sociedade, e muito menos que sobre dinheiro no caixa. Mas é importante saber se dá para crescer, passar do ponto de equilíbrio e continuar a crescer sem depender de investimentos externos.

A pergunta mais adequada não é SE devemos usar ou não o fluxo de caixa descontado em startups, mas PARA QUE usar.

Objetivamente: o fluxo de caixa não define valuation de pequenas empresas de alto crescimento, ele funciona como um mecanismo de balizamento. Ele ajuda a garantir que o plano de investimento não fique descolado da negociação de participações acionárias.

Esse é um fato muito comum, infelizmente! Vejo dia após dia empresas sendo negociadas a valuations absurdos, sem validação alguma se aquilo faz sentido com o planejamento ou, pior, com o próprio tamanho do mercado.

O contrário também é verdadeiro. Negociar valuation com base no resultado do fluxo de caixa descontado é outro erro frequente. A projeção pode estar bem feita, mas muitas vezes o número não faz sentido do ponto de vista do alinhamento de interesses e retornos esperados por cada um dos sócios.

 

Artigos relacionados:
Por que os investidores ficam sempre com 20% a 30% das empresas?
As duas únicas variáveis que determinam o valuation da sua startup